Buscar
  • Policiais Antifascismo RN

Programa GregNews, da HBO, retrata os dramas dos policiais brasileiros

Produção contou com assessoria dos policiais antifascismo Pedro Chê e Íbis Silva Pereira



Foi ao ar na noite de sexta-feira, 12 de junho de 2020, na HBO Brasil, o 12º episódio da 4ª temporada do Greg News, com Gregorio Duvivier, dedicado aos Policiais Brasileiros.


Temas como Mortes de Policiais, Desmilitarização da Polícia, Legalização das Drogas e Não Armamento da População foram abordados pelo programa.


A produção contou com a assessoria dos policiais antifascismo Pedro Chê (policial civil e coordenador do Movimento no RN) e Íbis Silva Pereira (coronel e ex-comandante-geral da Polícia Militar do Rio de Janeiro).


"Quando recebi o contato da equipe do Greg News para falar sobre a vida do policial brasileiro e questões da segurança pública, fiquei muito contente. Vejo como um possível marco para discussões no campo da esquerda quanto ao tema, que se antes muitas vezes era tratado com desleixo, nesta situação foi com muita atenção e sensibilidade. A equipe do Greg News está de parabéns pela pesquisa realizada e pela ousadia de furar a bolha que envolve essa discussão", destaca Pedro Chê, coordenador do Movimento Policiais Antifascismo no Rio Grande do Norte.


Dentre os diversos aspectos retratados, estão dados alarmantes sobre morte de policiais brasileiros.


O Brasil é o país onde os policiais mais morrem violentamente em todo o mundo. Nos últimos 10 anos, mais de 20 mil policiais brasileiros foram mortos. Então, não é só a polícia que mais mata, mas a polícia que mais morre. E é também a que mais se mata. Mais policiais tiram a própria vida do que morrem em serviço. A probabilidade de um policial militar se matar é quatro vezes maior do que para a população em geral. Todos os dias, 43 policiais brasileiros são afastados por transtornos psiquiátricos. Os principais motivos são o estresse por conta da atividade, insatisfação com a própria polícia e a relação hierárquica das corporações, que leva a abusos de autoridade (...), problema esse impossível de resolver, já que reclamar do chefe é proibido e passível de punição severa", revela Gregorio Duvivier.

A gravação do programa pode ser assistida pelo YouTube, a partir do canal HBO. Assista ao final deste artigo.


Nos comentários ao vídeo, muitos policiais estão relatando suas histórias. Destacamos algumas abaixo, provando que o assunto é sério e merece atenção de toda a sociedade e do mundo:


"Sou policial civil (escrivão) e fui dirigente sindical. Por conta de minha militância crítica ao "sistema", respondi e fui condenado em 2 processos criminais por ter difamado "autoridades". Ocorre que nenhuma "autoridade" foi direta ou indiretamente mencionada por mim. Fui, portanto, condenado 2 vezes, por crime contra a honra (difamação) sem haver vítima identificada. Fui ainda condenado em 5 processos disciplinares na corregedoria da Polícia Civil por críticas que fiz ao "sistema" em minhas redes sociais (Facebook, Whatsapp etc), sem ofensas a ninguém e sem qualquer relação com o desempenho do meu trabalho. Diagnóstico: depressão. Prescrição médica: medicação, licença médica e mudança de profissão (estou focado nisso agora).Essa é a realidade da maioria dos policiais. Quase todos estão doentes, desses, a maioria ainda não percebeu. Esse vídeo me representa. Compartilhar com todos amigos e colegas policiais é necessário."

"Sou agente de polícia civil do Rio grande do Sul. Antes fui policial civil no estado do Ceará e antes guarda municipal de Fortaleza. Em suma, trabalho na segurança pública há quase 14 anos. Fiquei impressionado com a capacidade do Greg de em poucos minutos tocar no cerne das feridas dos policiais. É sobretudo um vídeo para os policiais, uma reflexão sobre o sistema arcaico que falhou e que precisa urgentemente ser mudado para o bem de toda a sociedade. Uma polícia que mais mata, morre e se mata no mundo, de fato apresenta sinais evidentes de grave enfermidade. O sistema adoece os policiais e isso se reflete no serviço prestado a sociedade. Está tem que se debruçar sobre o problema e resolver essa questão se quiser ter acesso ao direito sagrado de segurança pública e garantir a inviolabilidade dos seus direitos constitucionais. Obrigado, Gregório, por ser uma voz para os anseios sobretudo dos policiais brasileiros."

"Sou policial militar e permaneci quase um ano preso ao ser acusado de criticar o governo do Espírito Santo. Até o dia 64 eu nem sequer havia sido ouvido EM FASE DE INQUÉRITO."

"Sou policial militar e processei judicialmente o chefe por abuso de autoridade. Após ser notificado, ele instaurou mais 4 processos administrativos num intervalo de 5 meses. Juntei tudo e meti outro processo judicial. Torcendo aqui para que a justiça de faça justa."

"Um excelente vídeo e um sonho, mas não tenho esperanças. Sou PM e concordo em tudo o que vc falou. Tudo. Em minha atuação profissional eu cumpro a constituição, por isso, entre meus colegas, sou chamado de preguiçoso, medroso entre outras coisas. Já tenho um tempo na polícia e vejo os jovens entrarem na profissão já com a mentalidade de confronto, "se fazer respeitar", quase todos pobres de direita, quase todos eleitores do Bolsonaro, quase todos condicionados a temer o suspeito e atirar primeiro. Vi os governos finais do PT e nada mudou, vi o governo Temer e nada, agora com o governo Bolsonaro estou completamente sem esperanças."

Em tempos de fake news, é importante compartilharmos a verdade. Tem sido comum, por parte de opositores ideológicos do Movimento Policiais Antifascismo, diversos ataques, buscando ferir a honra desse movimento legítimo e democrático.


O programa continua o debate sobre a atuação da polícia nos dias de hoje e vale muito a pena conferir. Compartilhe verdade!



553 visualizações
QUER RECEBER NOSSO
BOLETIM INFORMATIVO?
  • Siga-nos no Facebook
  • Siga-nos no Instagram
  • Siga-nos no Youtube
  • Siga-nos no Twitter

© 2020. Movimento Policiais Antifascismo RN. Todos os Direitos Reservados. Permitida a divulgação dos conteúdos, desde que mencionada a fonte e fazendo uso ético das informações.

  • Siga-nos no Facebook
  • Siga-nos no Instagram
  • Siga-nos no Youtube
  • Siga-nos no Twitter